PHI - A Divina Proporção

   Estava lendo “ O Código Da Vinci “, de Dan Brown,e um assunto me chamou muito a atenção , ele cita em um trecho algo sobre PHI “ A Divina Proporção”,então pesquisei mais a fundo, achei muito interessante e resolvi escrever um pouco sobre,para quem estiver interessado. Acho muito importante que todos saibam sobre isso principalmente aqueles interessados em história da arte.



  Também conhecida como “proporção áurea” ou “número de ouro”, a divina proporção é uma constante algébrica irracional representada pela letra grega φ (PHI) e com o valor arredondado a três casas decimais 1,618 é um número que há muito tempo é empregado na arte. É frequente a sua utilização em pinturas renascentistas, como as do mestre Giotto. Este número está envolvido com a natureza do crescimento o que o torna tão frequente,e justamente por haver essa frequência, o número de ouro ganhou um status de "quase mágico", sendo alvo de pesquisadores, artistas e escritores. Apesar desse status, o número de ouro é apenas o que é devido aos contextos em que está inserido: está envolvido em crescimentos biológicos, por exemplo. O fato de ser encontrado através de desenvolvimento matemático é que o torna fascinante.
   Como é um número extraído da sequência de Fibonacci, o número áureo representa diretamente uma constante de crescimento. O número áureo é aproximado pela divisão do enésimo termo da Série de Fibonacci (1,1,2,3,5,8,13,21,34,55,89,...) pelo termo anterior. Essa divisão converge para o número áureo conforme tomamos cada vez maior. Por que esse número é tão apreciado por artistas, arquitetos, projetistas e músicos? Porque a proporção áurea, como o nome sugere, está presente na natureza, no corpo humano e no universo.


   Este número, assim como outros, por exemplo o Pi, estão presentes no mundo por uma razão matemática existente na natureza. Essa sequência aparece na natureza, no DNA, no comportamento da refração da luz, dos átomos, nas vibrações sonoras, no crescimento das plantas, nas espirais das galáxias, dos marfins de elefantes, nas ondas no oceano, furacões, etc.


  Onde mais podemos encontrar esta proporção?


-Semente de girassol – A proporção em que aumenta o diâmetro das espirais de sementes de um girassol é a razão áurea.


-Folhas das Árvores – A proporção em que diminuem as folhas de uma árvore à medida que subimos de altura.


-Em uma população de abelhas pegue o número de fêmeas divida pelo número de machos e você encontrará o PHI.


Até mesmo no corpo humano podemos encontrar a Divina Proporção:


-A altura do corpo humano e altura do umbigo até o chão;


-A altura do crânio e a medida da mandibula até a cabeça;


-A medida do ombro à ponta do dedo e a medida do cotovelo à ponta do dedo;


-O tamanho dos dedos e a medida da dobra central até a ponta.


Essas proporções anatômicas foram bem representadas pelo "Homem Vitruviano", obra de Leonardo Da Vinci.


   A proporção áurea foi muito usada na arte, em obras como "O Nascimento de Vênus", quadro de Botticelli, em que Afrodite está na proporção áurea. Essa proporção estaria ali aplicada pelo motivo de o autor representar a perfeição da beleza. Também na Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, utiliza o número áureo nas relações entre seu tronco e cabeça, e também entre os elementos do rosto.


  Podemos encontrar a proporção áurea na literatura,sua aplicação mais notável é no poema épico grego Ilíada,de Homero. Quem o ler notará que a proporção entre as estrofes maiores e as menores dá um número próximo a 1,618, o número de ouro. O número de ouro pode ser encontrado até mesmo na música, nas famosas Sinfonia n.º 5 e a Sinfonia n.º 9, de Ludwig van Beethoven, e em outras diversas obras.


  Seria este o número em que Deus se baseou para criar o universo?

2 comentários:

Prof.ª Otilia disse...

Parabéns pelo tema escolhido,é interessante e nos instiga a buscar mais informações.

Roberto Denser disse...

Muito bacana seu blog, Soninha. Você parece ser motivada por uma curiosidade natural bastante saudável e possui muito bom gosto. Continue com esse amor à leitura, aos livros, à arte, e tenho certeza que você irá muito longe. Beijão.